Print Friendly, PDF & Email

A população brasileira e mundial está envelhecendo…

… e isso não é nenhuma novidade. Estados, empresas e pessoas precisarão estar cada vez mais preparados para entender e atender esse contingente populacional crescente que demandará produtos e serviços que os atendam da forma que desejam.

E um dos desafios do envelhecimento é entender o seu processo fisiológico, as consequências para a saúde e longevidade e formas de prevenir e/ou retardar perdas e prejuízos à saúde do indivíduo, para que possa viver mais e melhor.

Dentro das áreas de Geriatria e Gerontologia existe o conceito dos 5 I´s da Geriatria: Incontinências (urinária e fecal), Insuficiência Cerebral, Iatrogenia, Imobilismo e Instabilidade. São também chamados de 5 “gigantes” , já que são condições que aparecem no processo de envelhecimento e que podem influenciar na longevidade e qualidade de vida.

Incontinência urinária

A Incontinência urinária (mais prevalente) é definida pela perda involuntária de urina, sendo mais comum entre mulheres (12 a 56%). Existem 3 tipos de IU: de urgência (mais prevalente em idosas), de esforço (mais prevalente em mulheres de 25 a 49 anos) e mista (prevalente em mulheres de meia-idade) e os fatores de risco para o desenvolvimento de IU são: idade, menopausa, gravidez, parto normal, exercícios de alto impacto e obesidade.

Com relação à Instabilidade aproximadamente 30% dos indivíduos com mias de 65 anos de idade caem ao menos 1 vez por ano, dos quais a metade de forma recorrente. Quando um idoso cai, sua vida pode ser impactada com o declínio da saúde, aumento do risco de institucionalização e isolamento social.

Fatores que afetam o equilíbrio

Dentre os fatores que afetam o equilíbrio estão:  perda de força de membros inferiores, perda de confiança( idoso caidor), distúrbios visuais, doenças cardiovasculares, comprometimento cognitivo e medicação. Já o Imobilismo trata-se de um conjunto de alterações que ocorrem em indivíduos que permanecem acamados ou que possuem alguma restrição ao movimento por um longo período de tempo, podendo afetar todos os sistemas do corpo.

Considera-se de 7 a 10 dias de imobilização um período de repouso, não trazendo grandes alterações sistêmicas. De 12 a 15 dias, já é considerada imobilização propriamente dita, podendo trazer alterações na funcionalidade. Acima de 15 dias, já são considerados decúbitos de longa duração. Os fatores que podem levar ao Imobilismo são: doenças reumáticas (osteoartrose), sequelas de fraturas, DPOC, AVC, desnutrição e desidratação, Parkinson, demência e depressão.

Insuficiência Cerebral

A Insuficiência Cerebral designa o comprometimento das funções cerebrais. As alterações nas funções que não apresentam prejuízo na funcionalidade do paciente não podem ser classificadas como incapacidade cognitiva. Essas alterações constituem o CCL (comprometimento cognitivo leve). Para o estabelecimento do diagnóstico de incapacidade cognitiva é fundamental a constatação do prejuízo na funcionalidade do indivíduo ou perda de AVDs.

As principais causas da insuficiência cognitiva são: depressão, delirium, demência e doenças mentais como esquizofrenia. E, finalmente, a Iatrogenia, considerada uma doença com efeitos e complicações causados como resultado de um tratamento médico (erro médico, negligência, efeitos secundários a tratamentos e efeitos colaterais de medicação), sendo uma das mais comuns a MEDICAMENTOSA ou POLIFARMÁCIA.

Prevenção e promoção da saúde como estratégias

Diante do processo de envelhecimento e suas características, cabe a todos os profissionais da área da saúde trabalhar para promover prevenção nos níveis primário, secundário e terciário , além de auxiliar no tratamento dessas condições, aumentando assim a qualidade de vida de seus clientes/pacientes.

Se seu cliente tem risco/apresenta IU, utilize a anamnese para investigar sobre os detalhes. Em caso positivo, evite exercícios de alto impacto e trabalhe musculatura acessória e músculo do assoalho pélvico para se preparar para o estresse de alguns exercícios. E lembre-se: perder urina não é normal. Se a condição a ser prevenida/melhorar é a Instabilidade, foque em exercícios que promovam equilíbrio, força e marcha, além de atividades físicas de intensidade moderada.

No Imobilismo, é imprescindível interromper o ciclo do envelhecimento que leva à inatividade física, descondicionamento e fragilidade. Estudos demonstram que exercícios físicos pode representar um potencial tratamento adjunto para transtornos neuropsiquiátricos e comprometimento cognitivo. Já na Iatrogenia, o papel do educador físico é entender a dinâmica de medicamentos através da anamnese e conversar com a família e o médico.

No atendimento ao cliente idoso, a visão gerontológica exerce papel fundamental já que olha o indivíduo no seu contexto biopsicossocial, prestando um atendimento completo e direcionado para as necessidades e desejos de cada indivíduo. Você já pratica a visão gerontológica com seus cliente idosos?

Quer saber mais sobre o processo de envelhecimento e como você pode se destacar no seu atendimento? Essas e outras informações como:

  • DADOS E NÚMEROS DO MERCADO DO ENVELHECIMENTO (e ninguém está olhando),
  • COMPRESSÃO DA MORBIDADE,
  • DESENVOLVIMENTO DE UMA CONSCIÊNCIA GERONTOLÓGICA,
  • QUEM É O NOSSO CLIENTE,
  • COMPOSIÇÃO CORPORAL,
  • PERDAS FÍSICAS E EXERCÍCIOS, PRESCRIÇÃO (protocolos para exercícios de força, aeróbios, flexibilidade e equilíbrio),
  • ESTRATÉGIAS DE ATENDIMENTO,
  • AVALIAÇÕES DIFERENCIAIS (segmentação por idade),
  • COMO MELHORAR A ADESÃO E FIDELIZAÇÃO,
  • OS 5 GIGANTES DA GERIATRIA E COMO PODEMOS AJUDAR (incontinência, insuficiência cerebral, instabilidade, imobilismo e iatrogenia),
  • DOENÇAS RELACIONADAS AO ENVELHECIMENTO E OS PRINCIPAIS PROTOCOLOS,
  • TREINAMENTO COGNITIVO (com 12 sessões prontas para começar a aplicar),
  • MAPA DO MERCADO E COMO SE POSICIONAR…você encontra no Treinamento Personal Terceira Idade.

Clique no link abaixo e mude seu atendimento:

Sucesso-como-Personal-Trainer

 

Deixe um comentário

Comentários