Print Friendly, PDF & Email

Conheça a relação Osteoporose e Exercício Físico

As transformações ocorridas no século XX têm produzido impacto na estrutura etária de população e na distribuição quanto à morbimortalidade, o que exige mudanças nas respostas de cada sociedade em relação aos problemas de saúde. Segundo a OMS, 1/3 das mulheres brancas acima de 65 anos são portadoras de Osteoporose. Apesar de ser uma doença predominante em mulheres, ela também atinge os homens, estimando-se que cerca de 1/5 dos homens brancos acima de 60 anos têm 25% de chances de adquirir uma fratura osteoporótica.

DEFINIÇÃO

A Osteoporose (OP) é uma desordem esquelética crônica e progressiva de origem multifatorial que acomete pessoas idosas, tanto homens quanto mulheres, geralmente após a menopausa. Caracteriza-se por um comprometimento da resistência óssea predispondo a um aumento de risco de fratura, à dor, à deformidade e à incapacidade física, sendo uma das doenças osteometabólicas mais comuns em países desenvolvidos.

As fraturas osteoporóticas afetam qualquer parte do esqueleto, exceto o crânio. Ocorrem mais comumente na porção distal do antebraço, vértebras torácicas e no fêmur proximal.

É comum conceituar OP como sendo sempre o resultado da perda óssea. Entretanto, uma pessoa que não alcançou seu pico máximo durante a infância e a adolescência, por desnutrição ou anorexia nervosa, por exemplo, pode desenvolver OP sem ocorrência da perda óssea acelerada. Portanto, otimizar o pico de massa óssea na infância e adolescência é tão importante quanto a perda óssea no adulto.

A OP é classificada como primária, subdividida em tipos I e II, ou secundária:

Primária tipo 1

  • Predominantemente em mulheres, associada à menopausa
  • Perda acelerada do osso trabecular
  • Fraturar vertebrais comuns

Primária tipo 2

  • Ocorre tanto em mulheres quanto em homens idosos
  • Compromete ossos cortical e trabecular
  • Ocorrência de fraturas vertebrais e de fêmur

Secundária

  • Endocrinopatias (tireotoxicose, hiperparatireoidismo e hipogonadismo)
  • Fármacos (glicocorticoides, antiácidos contendo alumínio, hormônio tireoidiano, anticonvulsivantes, ciclosporina A
  • Doenças genéticas (osteogenesisimperfecta)
  • Artrite reumatoide
  • Doenças gastrintestinais
  • Transplante de órgãos
  • Imobilização prolongada
  • Mielomas múltiplos
  • Câncer de mama
  • Anemias crônicas
  • Mastocitose
  • Tratamento prolongado com heparina

DADOS ESTATÍSTICOS

Nove em cada 10 mulheres brasileiras não consomem a quantidade adequada de cálcio para manter uma boa saúde dos ossos. Esse é apenas um dos números que comprovam que a osteoporose é um problema grave de saúdepública. Confira outros números do Ministério da Saúde (MS), da InternationalOsteoporosis Foundation (IOF) e da Federação Nacional e de Associações de Pacientes e de Combate à Osteoporose (Fenapco):

  • 10 milhões de brasileiros sofrem de osteoporose. Uma em cadatrês mulheres com mais de 50 anos tem a doença. 75% dos diagnósticossão feitos somente após a primeira fratura;
  • No Brasil, a cada ano ocorrem cerca de 2,4milhões de fraturas decorrentes da osteoporose. Cerca de 200 mil pessoas morrem todos os anos em decorrência destas fraturas;
  • Para as mulheres acima dos 50 anos, a recomendação para a ingestão de cálcio é de 1.000 mg por dia.
  • As mulheres, principalmente na menopausa, necessitam ingerir cálcio na quantidade recomendada para manterem os ossos fortes e evitar as fraturas;
  • As mulheres na menopausa são as mais atingidas pela doença, devido à queda brusca do estrógeno;
  • Ossos mais afetados nas fraturas: fêmur, coluna vertebral, ombros e punhos;
  • Aproximadamente 1,6 milhões de fraturas de quadril ocorrem no mundo a cada ano. O mesmo ocorre no Brasil. Em 2050 esse número pode atingir entre 4,5 a 6,3 milhões;
  • Nas mulheres com mais de 45 anos, o número de dias passados em hospitais por causa de fratura em função da osteoporose é superior ao induzido por doenças como diabetes e infarto do miocárdio;
  • É estimado que apenas uma em cada quatro fraturas receba o tratamento adequado;
  • Nos pacientes com correçãocirúrgica de fratura de fêmur por osteoporose, apenas 13,3% são encaminhados ao tratamento da doença. Isso implica na ocorrência de novas fraturas;
  • O risco de novas fraturas vertebrais em mulheres que já apresentam fraturas prévias é de 27% em cada ano após a primeira fratura;
  • Classifica­-se osteopenia quando a massa óssea é de 10% a 25% menor que a considerada normal. Mais do que isso, classifica­-se como osteoporose;
  • 33% das mulheres maiores de 55 anos apresentam osteopenia;
  • Um em cada cinco homens tem osteoporose;

CAUSAS E FATORES DE RISCO

A OP surge por vários motivos:

  • menopausa;
  • idade avançada;
  • fatores genéticos e ambientais;
  • doenças crônicas e hormonais;
  • histórico familiar;
  • constituição física magra;
  • baixa ingestão de cálcio;
  • falta de exposição a luz solar;
  • sedentarismo;
  • quantidade inadequada de Vitamina D no organismo;
  • fumo e consumo excessivo de álcool, café e sal.

OSTEOPOROSE E MENOPAUSA

A relação da osteoporose com a menopausa pode ser explicada pelo declínio dos hormônios ovarianos. Com a redução da quantidade de estrógeno no organismo, há um desequilíbrio no metabolismo ósseo, levando a uma maior perda de massa óssea com relação ao ganho. Dessa forma, os ossos ficam mais frágeis e suscetíveis a quebras. O processo de menopausa em si já é um fator de risco para osteoporose.

OSTEOPOROSE, RISCO DE QUEDA E FRATURA

A incidência de quedas e a severidades das complicações aumentam com a idade, comprometendo progressivamente a independência funcional. Estudos apontam que a incidência das fraturas osteoporóticas está aumentando. Estima-se que em 2050 elas atingirão mais de 6 milhões de pessoas em todo o mundo. As mulheres são mais frágeis que os homens em todas as idades, por esse motivo as quedas e fraturas de quadril no sexo feminino são 2 a 3 vezes superiores às verificadas nos homens. Cerca de 70% das fraturas ocorridas em pessoas com mais de 45 anos são correlacionadas com OP. A maioria dessas lesões ocorrem em mulheres. Mais da metade das mulheres na menopausa desenvolverá fraturas espontâneas como resultado da Osteoporose.

QUADRO CLÍNICO

Geralmente a OP é assintomática. Os pacientes tomam conhecimento da doença quando ocorre uma fratura ou o médico observa alteração em exame de radiografia ou densitometria óssea (DMO). Os locais de maior ocorrência de fraturas de baixo impacto são vértebras, punho e região proximal do fêmur. As fraturas de fêmur são facilmente diagnosticadas; entretanto, só 30% dos pacientes com fraturas vertebrais procuram atendimento médico. Os mais jovens fraturam o punho ao tentarem diminuir o impacto da queda.

Mais tardiamente ocorrem as fraturas de vértebras e, geralmente após os 70 anos, as femorais, quando, então, o indivíduo já não apresenta reflexos posturais adequados, caindo sentado. A maioria das fraturas vertebrais ocorre nas vértebras torácicas inferiores ou lombares superiores, provocadas por mínimos traumas, como, ao inclinar-se para frente para pegar um objeto, levantar um peso maior, tossir, sentar-se abruptamente ou até pequenas quedas.

A dor por compressão vertebral é aguda, de forte intensidade, permanecendo por 6 a 8 semanas, e é evidenciada pela digitopressão da área comprometida. O colapso vertebral progressivo acaba produzindo hipercifose (corcunda ou corcova de viúva), diminuição da altura e da lordose natural lombar.

A dor, a hipercifose, a perda de altura, a restrição dos movimentos respiratórios e a compressão gástrica são consequências da fratura vertebral.

DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DA OSTEOPOROSE

O exame clínico é pouco significativo para o diagnóstico da osteoporose em suas fases iniciais. Porém a investigação clínica dos fatores de risco é fundamental para identificar possíveis vítimas e alguns exames complementares podem ajudar nesse diagnóstico, sendo os mais comuns a radiografia e a densitometria óssea.  A DMO é eficaz no diagnóstico da Osteopenia, condição que antecede a Osteoporose.

TRATAMENTOS

  1. Medidas Farmacológicas: existem várias opções de medicamentos que auxiliam no tratamento da Osteoporose. O tipo de medicamento, assim como sua dosagem, devem ser estabelecidos após consulta e diagnóstico feito por médico especialista. Não é o objetivo desse e-book focar nas medidas farmacológicas.
  2. Medidas não-farmacológicas: a prevenção da OP e das fraturas consequentes apoiam-se em um tripé: nutrição adequada, bons hábitos de vida, incluindo exercícios físicos e evitando alcoolismo e tabagismo.
  3. Controle do ambiente para prevenção de quedas.

EXERCÍCIO FÍSICO E OSTEOPOROSE

As estratégias preventivas da Osteoporose deveriam ter 3 objetivos:

  1. Aumentar a massa óssea durante e imediatamente após os períodos de crescimento, maximizando o pico da massa óssea;
  2. Manter ou desacelerar a taxa de perda da massa óssea durante a vida adulta;
  3. Diminuir os índices de propensão às quedas em adultos e idosos.

Além de melhorar a autoestima, a autonomia funcional e a consequente qualidade de vida, a prática de exercícios físicos provê um método auxiliar para prevenção e tratamento da Osteoporose. Atletas e pessoas ativas tendem a possuir densidade óssea mais elevada do que a população em geral, o que pode servir como modelo para avaliação dos efeitos de diferentes programas de exercícios na DMO. Consequentemente, atividades como o ciclismo, natação ou hidroginástica não seriam as mais indicadas para promover o aumento da densidade óssea.

Vale ressaltar que a prevenção da osteoporose não deveria se limitar às intervenções realizadas na idade adulta. Aumentos, mesmo que moderados, no volume de atividades físicas em crianças estão associados a maiores DMO em todos os ossos do corpo, podendo trazer esses benefícios até a velhice. Já a prática de exercícios a partir da idade adulta, embora possibilite ganhos expressivos, tem um efeito menor em relação à diminuição dos riscos para o desenvolvimento da doença e a incidência de fraturas a ela associadas.

Para que os exercícios físicos maximizem ganhos de massa óssea é necessário que possuam determinadas características: tensão muscular e ação da gravidade e devem respeitar os princípios de especificidade (focalizar na área de interesse), sobrecarga (necessário incluir força), reversibilidade (na ausência de estímulo de treinamento, os efeitos positivos serão perdidos) e individualidade biológica (cada indivíduo alcança um determinado ganho).

Os exercícios mais recomendados seriam: musculação e exercícios que gerem impacto como corrida, caminhada e pequenos saltos em conjunto com exercícios que melhorem o equilíbrio, para a prevenção de risco de quedas. Mas é muito importante que antes de iniciar qualquer tipo de modalidade de exercício a pessoa esteja em dia com suas consultas e exames médicos.

Fontes:

– FARINATTI, Paulo. T. V.ENVELHECIMENTO: PROMOÇÃO DA SAÚDE E EXERCÍCIO VOLUME 2.

– SANTOS, M.L.; BORGES, G.F. Exercício físico no tratamento e prevenção de idosos com osteoporose: uma revisão sistemática. Fisioter mov. 2010

Deixe um comentário

Comentários