Print Friendly, PDF & Email

APRESENTAÇÃO
VETERA NOVIS – ALGO NOVO SOBRE OS VELHOS

Por que o nome em latim?

O latim é uma língua antiga e, por ser a raiz das palavras em vários idiomas, continua dinâmica e atuante. É uma língua flexível e sintética, serve de fonte vocabular para a ciência, para o mundo acadêmico e para o direito.  Recentemente resgatada por publicitários e pela área de marketing vem substituindo o inglês.

Quem somos nós, os vetera novis – os novos velhos que continuam dinâmicos e atuantes, que querem qualidade de vida e participação viva e ativa com todas as gerações. Somos flexíveis, temos muito a contribuir. Queremos ser conhecidos, reconhecidos. Em troca, estamos aqui para compartilhar a rica experiência de vida adquirida ao passarmos pelas transformações que ocorreram no século 20. Já enfrentamos lutas e movimentos, mas estamos prontos para interagir com as novas gerações, com os desafios do século 21 e sua galopante tecnologia.
Sandra Schamas
www.sandraschamas.com.br

***

DESBRAVADORES DO FUTURO

Não seria ótimo se, nos treinamentos de funcionários da área de saúde, houvesse uma aula, um bate papo, sobre quem são os vetera novis, os novos velhos? Essa geração que se multiplica e chama a atenção da mídia e da publicidade? Essas pessoas que, como eu, nasceram depois da segunda guerra, sobreviveram a fortes mudanças, transformações  e movimentos e, portanto, têm muito a dar e receber?

Com toda a afetividade do brasileiro, é costume que os filhos tomem à frente a partir do momento em que seus pais atingem certa idade, geralmente depois da aposentadoria.  Para nossa cultura isso significa amor, você cuidou de mim agora eu cuido de você. Quero que todos saibam que sou bom filho e que eu me preocupo com você.  

Segundo psicanalistas, existe uma fase importante na adolescência que é o processo de reafirmação da identidade pessoal. As relações com os pais têm que mudar para que os jovens possam ascender ideias próprias. É conhecida a fase em que os genitores, que eram heróis, passam a não saber nada; os filhos sabem tudo. É muito comum isso se estender por mais tempo ou se repetir mais tarde, quando os pais envelhecem. Vamos combinar que, na realidade, pais e filhos têm sua sabedoria de acordo com o tempo em que vivem ou já viveram. Mas, como conseguir um acordo saudável e satisfatório?

Eu diria que é conversando. Conversando sobre a vida e sobre a morte, sem tabus. Não gostamos de falar sobre a morte, mas todos nós vamos morrer. Os adultos, jovens e nem tão jovens, fazem questão de não pensar no assunto, acham que são highlanders, nunca vão morrer. Nós que estamos envelhecendo, ou seja, os que vivemos mais, estamos na linha de frente, temos voz ativa, somos os “desbravadores do futuro”, merecemos respeito.

No último dia do ano de 2017, por volta das 14h00hs, dirijo-me ao pronto socorro do meu convênio médico, que é muito popular e acessível às pessoas com 50 anos ou mais. A sala de espera está cheia, no entanto, o operacional de atendimento flui de modo eficaz. Enquanto espero meu nome aparecer na tela, em letras bem grandes, diga-se de passagem, observo como é meu costume observar. Apenas três pessoas estão desacompanhadas: uma senhora parecida comigo, um senhor que aparentemente está sempre lá, e eu mesma.

Um homem se aproxima e educadamente me pede para trocar de lugar para que sua esposa possa ficar ao lado da nora. Claro, sem problemas. Levanto-me e espero ver uma esposa com alguma dificuldade física. Não, ao contrário, uma senhora perfeitamente independente e capaz se aproxima e toma o meu lugar. Por que será que o marido precisou falar por ela? Gentileza? Proteção, talvez.

Sou encaminhada para a sala de medicação e me acomodo bem em frente à porta, com plena visão de quem entra ou sai. Mais uma paciente se aproxima; de cadeira de rodas dessa vez, empurrada pela filha determinada. A enfermeira pergunta se a paciente anda. A filha diz que sim, e a partir daí a interação é apenas entre a enfermeira e a filha, que acomodam na poltrona feito uma boneca de pano. Será que a paciente consegue se comunicar, ou acha mais fácil se deixar levar?

Volto para a sala de espera e vejo um casal com um bebê chorão no colo, acompanhando um senhor. Trocam a fralda do bebê enquanto eu penso que pronto socorro não é o lugar ideal. Com tanta gente tossindo… O médico chama o senhor para a consulta, o filho levanta primeiro e vai entrando. Depois chama o pai. Vem, pai.

Quatro pessoas ocupam a primeira fileira de cadeiras estofadas de plástico: um casal e duas senhoras. O marido puxa conversa comigo e começa a falar da cunhada. As três mulheres são parecidas: duas superprotegem a que, pelo olhar perdido, identifico como a paciente. É que ela tem a cabeça boa, sabe, mas é teimosa, não toma os remédios direito, não quer se tratar, e a gente não sabe o que fazer, explica o gentil cavalheiro. Se a cabeça está boa para que tantos acompanhantes?

Enquanto aguardo o resultado dos exames fico pensando no que eu quero.
Naquele dia, e pela proximidade, vou ao pronto socorro de ônibus, passo pela triagem e descrevo meus sintomas para o médico. Quando questionada se quero tomar uma injeção de cortisona, digo que sim. Detesto cortisona, odeio, mas na crise respiratória é o que funciona. Será que seria melhor ter meus filhos ali, um de cada lado, decidindo tudo por mim? Seria cômodo. Todos gostam de atenção e em qualquer idade, inclusive eu, mas cada coisa em seu lugar. Se as pessoas vão decidir tudo por mim, não vejo sentido em ficar por aqui.

Minha mente divaga.
Será que os filhos acham que, a partir de certo momento, têm que cuidar de nós, que somos carta fora do baralho e só eles sabem o que é bom para nós? Talvez não, depende. Por que não conversar e saber o que de fato a gente quer? Todos podem colaborar sem oprimir. Gostamos de estar no comando da nossa vida e só vamos jogar a toalha quando não houver mais opção. Enquanto isso, ainda temos um bom tempo pela frente, pelo menos é o que indicam as estatísticas sobre da longevidade.

Sandra Schamas
www.sandraschamas.com.br. Atualmente trabalha como escritora e tradutora freelancer. Além de participar de coletâneas publicou livros de contos e poesias, e-book de mini contos e o livro de autoficção “As Tias, lendas de uma família” pela Editora Patuá. Publica seus textos no blog sschamas.blogspot.com e no facebook.

 

Deixe um comentário

Comentários